segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Nova campanha da Globo ironiza os que não gostam dela



No intervalo de ontem (22) do Fantástico, a TV Globo lançou a sua nova campanha “Cem Milhões de Uns”.

O vídeo fala que a Globo atinge 100 milhões de pessoas por dia.

A emissora diz que fala com cada um de modo individual (daí o “cem milhões de uns”). Ou seja, não trata esse número astronômico como uma massa amorfa.

No meio do vídeo, ela diz: “Uns gostam da gente; uns dizem que não”.

A frase sugere que até os que falam mal da Globo – ou dizem que não assistem a ela – na verdade assistem e gostam.

E aí que vocês acham, eles estão corretos com tal afirmação?

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Porque festas em clubes estão tendo pouco público.


Uma grande movimentação,  ocorreu agora a noite nas redes sociais, tudo por causa do cancelamento de um show no Cabana Clube, no qual Tayrone Cigano e Magníficos seriam as atrações que se apresentariam  amanhã (20/10).

Apesar de estar definido há algum tempo, com ampla divulgação, as vendas  antecipadas  de ingressos foram fracas."Foram vendidos apenas 26 ingressos era p ter saído no minimo 500 não deu mais desculpem gente" afirmou uma internauta. "Pouca venda de ingressos" disse outra.



Estou em Santa Cruz do Capibaribe, há 11 anos e nos últimos anos percebo uma diminuição drástica do público nas festas particulares, nos anos 2007, 2008,  fui à eventos com lotação máxima no Ypiranga, e no próprio Cabana Clube, festas com 4 mil, 5 mil pagantes. eram festas " estouradas". Hoje em dia promotores de eventos comemoram quando a  uma festa chega a ter 2 mil pagantes.

São muitos fatores que, na minha opinião, estão implicando em eventos cada vez mais fracos de público. Eu enumerei 5 que acho que sejam importantes.

1- Festas quase toda semana .Antes tinha havia um certo respeito por parte dos promotores de eventos, não se agendava festa próximo da outra, lembro-me do saudoso Maurão que à época chegou na rádio Estação Sat e agendou conosco uma programação de um evento futuro, porém só iria iniciar a divulgação após acontecer uma festa já estava sendo veiculada. Nos dia de hoje já aconteceram festa todo fim de semana.

2- Violência. O crescimento assustador faz com que o público ter receio de ir a eventos.

3- Atrações. Promotores de eventos estão deixando a desejar, é preciso está antenado com que está em evidência, não é porque ele gosta de tal cantor ou banda que o público vai na festa que mais parece ser dele e não do público.

4-Divulgação. Uma estratégia errada pode pôr tudo a perder, de quê adianta investir muita grana" em veículos que não estão sendo apreciados pela maioria do público, 

5-Rotatividade de público. Talvez os promotores não estão atentos a um fenômeno absolutamente normal e acredito ser o mais importante, o "X" da questão pra essa fase de "vacas magras" nos clubes da cidade. O jovem que lotava eventos há 10 anos não vai mais à festas, sabe porque? Ele vive um amadurecimento, vive uma outra fase, está mais adulto, a garota, o rapaz que não perdia uma festa que rolava todo mês, provavelmente hoje em dia está com outras prioridades. Como: cuidar da casa, dos filhos, da empresa, dos negócios ou seja, esse jovem, hoje adulto, tem outras prioridades. 

Por isso é preciso entender tal fenômeno, identificar esses pontos e planejar eventos pra outra geração de jovens e sobretudo ter um calendário pois apesar de ser uma cidade com economia forte não há bolso que suporte ir a festa toda semana.

Os organizadores do evento cancelado irão divulgar uma nova data.

Rádio segue forte perante público


O rádio continua a desempenhar um papel fundamental no dia a dia da população. De acordo com a mais recente pesquisa da Kantar IBOPE Media sobre o meio, realizada entre maio e julho de 2017, o tempo médio diário dedicado pelo brasileiro à atividade de ouvir rádio é de 4 horas e 40 minutos. Entre os 13 mercados em que o levantamento é realizado, merecem destaque as praças Grande Belo Horizonte (MG), onde 95% da população declarou ouvir rádio por ao menos um minuto nos últimos 30 dias; Grande Goiânia (GO), com alcance de 91%; e Grande Fortaleza (CE), em que 90% das pessoas são impactadas pelas ondas sonoras.

O estudo aponta, ainda, que a população da Grande Goiânia é a que passa mais tempo escutando rádio diariamente: em média, são 5 horas e 4 minutos. A Grande Rio de Janeiro vem na sequência, com 5 horas e 3 minutos. Os moradores da Grande Recife também se destacam no consumo, com 4 horas e 58 minutos diários dedicados ao meio.

O rádio é visto como uma fonte ágil e confiável de informação. 35% dos ouvintes declararam consumir o meio quando precisam de uma atualização rápida das notícias. Além disso, 32% disseram prestar atenção sempre ou quase sempre à publicidade veiculada no rádio – de janeiro a julho deste ano, foram ao ar mais de 3 milhões de inserções publicitárias no meio.

Segundo a pesquisa da Kantar IBOPE Media, 52 milhões de pessoas escutam rádio em 13 regiões metropolitanas no Brasil, sendo 52% mulheres e 48% homens. O pico de consumo do meio ocorre entre 10h e 11h da manhã, quando o rádio alcança 37 milhões de pessoas diferentes em um intervalo de 30 dias.

O alcance do meio é maior entre a população jovem. De acordo com o levantamento, 91% dos entrevistados entre 15 e 19 anos declararam ouvir rádio por ao menos um minuto nos últimos 30 dias. Este alcance é de 90% entre as pessoas de 20 a 34 anos e de 90% entre os 35 e 49 anos, sendo que todos os patamares estão acima da média de alcance geral, de 87% da população.

O estudo completo, com insights sobre o perfil do ouvinte, incluindo leituras do comportamento por praça e dados sobre a compra de espaço publicitário no meio, está disponível no site da Kantar IBOPE Media. Link

Fonte: Kantar

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

"Falta emoção, falta coragem no rádio"


Esse mês assisti mais um vídeo, dentre vários que ele fez e com muita propriedade afinal ele é simplemente um dos maiores locutores, produtores e diretor de rádio do mundo,isso mesmo, além de ter atuando nas grandes rádios nacionais ele faz TV e rádio nos estados unidos o mais importante mercado do planeta. isso o credibiliza para seu posicionamento.

Estou falando Julinho Mazzei, que fez inclusive, um vídeo sobre a abertura de músicas populares na programação da rede Jovem Pan no início desse ano, mas dessa vez o seu mais recente vídeo tem com contexto um alerta ao atual momento o rádio brasileiro, gravado nos estúdio de sua web rádio, a  Rádio Blog, tendo título "O meu rádinho tão querido está na UTI".

Ele faz um raio X da situação do rádio brazuca e os equívocos por parte de rádiodifusores no Brasil. utilizando as hashtags " #faltaemoção #faltavisão #faltacoragem #faltareferência #faltacoração #faltacomunicação #faltaliberdade #faltaexpressão #crisenorádio" 

Confira o o vídeo na íntegra:


video



Afinal pra que serve os programas de políticos?



Que o povo de Santa Cruz gosta de política todos sabemos, pegando carona nessa tendência o dial local está, digamos, exagerando nas  doses com os chamados "programas políticos", ou  para os mais observadores programas de "politicagem" são verdadeiros "enchimentos de linguiças" onde em sua maioria nada de proveitoso se ouve, são  âncoras e comentaristas contratados e/ou convidados, além de aliados que surgem do "nada" para falar bem de tal "político " ou criticar os opositores, (afinal quem tá fora quer entrar né?) e eles, os "patrocinadores/idealizadores desses programas são os donos da bola  afinal eles  quem mandam se não o jogo acaba.

Não há mais opção para ouvinte, não há espaço para o entretenimento,apenas muitas horas de  ocupação na grade das emissoras com esses programas. As rádios podem até estarem melhorando suas receitas, por outro essa prática pode ser um "tiro no pé" com avanço e acesso a internet fez do eleitor/internauta aguçar seu ponto crítico, a internet se tornou o mais importante canal de informação para grande massa, não há mais gente desavisada, e o conceito da rádio perante ao seu ouvinte pode está em xeque.

Hoje a internet faz o que o rádio da cidade deveria estar fazendo, torcemos um dia que seja ofertado aos ouvintes programas conteúdos para gerar opinião  e não alienar, ou que de fato fossem produzidos, (isso mesmo: produzidos, afinal para piorar esses programas deixam a desejar nesse quesito), que programas políticos, sejam produzidos nas emissoras programas de política na sua verdadeira essência, com todo o bê-abá de um gestor público deve agir no exercício de seu mandato e não programas que só servem para "elevar egos alheos"

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Santa Cruz do Capibaribe pode ter distrito de São domingos como seu bairro


Um novo mapeamento do Estado de Pernambuco, feito por meio dos dados do programa Pernambuco Tridimensional (PE3D), poderá alterar os limites de diversos municípios. O programa utiliza a varredura a laser para fazer medições precisas das referências definidas nas leis de criação dos municípios.

No plenário da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o deputado Isaltino Nascimento (PSB), afirmou que as alterações podem modificar o tamanho da população das cidades, afetando o repasse de recursos para as prefeituras. “Os prefeitos precisam estar atentos, e a discussão sobre esse processo precisa ser trazida para esta Casa”, afirmou.

De acordo com o parlamentar, as divisas do Estado também podem ser alteradas. A solicitação de Isaltino é que a Comissão de Negócios Municipais da Assembleia realize uma audiência pública sobre o tema.

O PE3D está sendo executado pela Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco – Condepe/Fidem, com a contribuição do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O projeto tem um custo de R$ 21,5 milhões, financiado pelo Banco Mundial. As cidades que podem ter o território alterado são entre Arcoverde, Belo Jardim, Brejo da Madre de Deus, Carpina, Caruaru, Chã Grande, Escada, Garanhuns, Lajedo, Limoeiro, Nazaré da Mata, Paudalho, Pesqueira, Petrolina, Pombos, Ribeirão, Sanharó, Santa Cruz do Capibaribe, São Bento do Uma, São Caetano, Surubim, Tacaimbó, Timbaúba, Toritama, Tracunhaém e Vitória de Santo Antão.

Interferências à vista !


Ontem me depararei com uma campanha no rádio que solicita a participação do público sobre possíveis interferências no sinal dgital de TV e internet 4G isso porque com desligamento da tv analógica a faixa dos 700 megahertz será utilizada por ambas: TV digital e internet banda larga, o problema é que estudos estão sendo feito e está evidente uma provável interferência tanto na TV digital quando na internet 4G.

Por uma não definição e estudo de aperfeiçoamento podemos enfrentar  problemas as regras da TV digital no Brasil não foram bem definidas, a pressa do governo em lançar a TV digital causou toda essa confusão,por estarem atuando em frequências muito próximas vai ser comum o sinal de sua tv digital ter falhas assim como sua navegação no 4G ter problemas a exemplo de um simples download que pode não ser realizado no tempo desejado. 

A campanha que está sendo veiculada no rádio diz que o processo para resolver o problema é simples basta acessar um site ou ligar para serviços de auto atendimento que o problema será solucionado facilmente.

Vamos torcer que de fato seja simples de solucionar